Cultura

Poema de sábado: A ladra

Roubaste meus beijos
Furtaste meus lampejos
Da minha boca levaste os
gemidos
Perdi a noção dos sentidos

Levaste de mim a chama
que incendiava nossa cama
Fiquei sem teus carinhos
Solitário, apático, sozinho

Roubaste a minha esperança
Deixaste apenas lembrança
Dos tempos que me iludias
Eram intensos nossos dias

Tiraste de mim o sonho
Deste poeta, outrora risonho
Deixaste no meu travesseiro
Marcas de batom e teu cheiro

Hoje sigo a te procurar
Na minha mente, em qualquer lugar
Esqueceste na cabeceira
A lingerie de renda, vermelha

Como era doce nossa rotina
Tuas carícias ousadas e libertinas
Roubaste, impiedosamente, minha vida
Deixaste em meu peito, imensa ferida

Finalmente, roubaste o ar que respiro
Deixando-me o último suspiro
Minha alma sangra, alvejada
Por tua perfídia dissimulada

              Klezer Paiva

Poeta por Amor

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo