Polícia

Polícia prende jovem acusado de estuprar a irmã de apenas 4 anos de idade em Oiapoque

Após ser denunciado pela avó materna da vítima, um jovem de 18 anos, foi preso na noite desta terça-feira, 13, por policiais civis do Município de Oiapoque, a 590 km da capital amapaense, sob a acusação de estupro.

De acordo com o titular da cidade, delegado Charles Corrêa, o abuso sexual foi confirmado por um médico e pela técnica de uma escrivã de polícia que, através de desenhos, fez com que a criança, de apenas 4 anos de idade, revelasse o crime cometido pelo seu meio-irmão. A violência, segundo a autoridade policial, se deu na residência do pai da menor que está separado da mãe da mesma.

“Infelizmente é mais um caso de abuso sexual que registramos na fronteira. Prendemos na data de hoje o acusado de ter estuprado a sua meia-irmã. Fomos acionados pela avó materna da menor que desconfiou quando recebeu a criança em sua casa. A garota estava sob os cuidados do pai, pois a mãe está trabalhando em área de garimpo”, contou Corrêa.

Por meio de um vídeo, o delegado disse que a criança estava com o órgão genital bastante machucado e chorosa quando foi devolvida pelo pai à avó.

“Ela dava sinais de que algo muito ruim havia acontecido. De imediato, acionamos o apoio de um médico que fez a perícia e atestou a lesão na genitália da criança. Nossa escrivã de polícia, utilizando técnicas de entrevista com a menor, conseguiu através de desenhos, fazer com que ela informasse como se deu a violência”, manifestou o delegado.

Conforme explicou Charles Corrêa, a criança atribuiu o estupro a seu meio-irmão. A avó também afirma que a autoria do crime hediondo é do jovem.

O acusado da violência foi conduzido para o Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Cioso) de Oiapoque, onde foi autuado por estupro de vulnerável. Ainda hoje a Justiça deve a decidir em audiência de custódia se ele ficará preso ou se será posto em liberdade.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo