Polícia

Polícia procura por dupla que executou jovem em frente à escola no Marabaixo 3

O delegado Wellington Ferraz, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa (Decipe), está à procura de pistas que possam levar ao paradeiro de dois homens, acusados de assassinar Gengiscan Coelho Farias, de 24 anos de idade. O crime, com características de acerto de contas, aconteceu na tarde de ontem, 19, em via pública, na Rua 5 do bairro Marabaixo 3 – Zona Oeste da cidade de Macapá. Segundo informações da autoridade policial, um motorista de aplicativo pode ser uma das peças chave na investigação. Ele teria feito a corrida para a vítima, levando a mesma até o local onde, possivelmente, ela foi atraída para uma “casinha”.

“Nós vamos solicitar às duas principais plataformas desses aplicativos, informações para identificarmos esse motorista e pedir para que ele venha depor. Tem um áudio de WhatsApp, provavelmente, gravado por ele, que confirma as informações que a gente conseguiu coletar no local, que as pessoas teriam ouvido aí pelo menos quatro disparos, que teriam sido efetuados por dois homens que estavam em uma bicicleta, logo após a vítima se posicionar em frente a uma escola”, contou Ferraz.

Com a chegada da Polícia Cientifica, foi detectado que Gengiscan foi alvejado com dois disparos na região da cabeça. Um projetil foi encontrado às proximidades do corpo, indicando que os atiradores estavam usando um revólver. Logo após o crime, a dupla fugiu em rumo ignorado. Mas a polícia, de acordo com o delegado, já montou várias rotas de fuga para solicitar imagens do circuito de segurança de residências, por ruas que podem ter servido de passagem para os assassinos.

Com a identificação da Gengiscan, o delegado conta que o mesmo já tem uma vida no mundo do crime e que era acusado de assassinato.

“Estudando um histórico de quem era a vítima, descobrimos que ele estava sendo investigado por homicídio na cidade de Santana, ocorrido a mais ou menos um mês, trocamos informações com a equipe da Polícia Civil de lá, a esposa dele já havia sido presa recentemente com droga no município de Afuá, possivelmente estava envolvido com alguma organização criminosa. Temos também imagens dele portando armas e efetuando disparos em determinadas localidades que acreditamos ser aqui em Macapá. Isso tudo vai ajudar a entender qual foi a motivação desse crime”, revelou Wellington.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo