Polícia

Justiça manda soltar motorista que matou dois no trânsito

Entre as condições da soltura, Dawson deve usar tornozeleira eletrônica

O pedido de revogação de prisão preventiva, de Dawson da Rocha Ferreira, que no dia 15 de janeiro de 2021, matou dois trabalhadores no trânsito, foi deferido. O acusado deve ser colocado em liberdade provisória com a condição de utilização de monitoramento eletrônico.

Entre as outras condições estão, a proibição de manter contato com as testemunhas de acusação; deverá se recolher em sua residência todos os dias a partir das 20h até às 6h, não pode frequentar bares, boates e similares, não pode se ausentar de Macapá, sem autorização da justiça. Também deve utilizar tornozeleira eletrônica, pelo prazo, a priori, de 100 (cem) dias.

A defesa alegou comorbidades em Dawson, hipertensão, falta de alimentação adequada,  nível de estress intenso. Ainda alegou que em todas as vezes em que Dawson saia para falar com o advogado ou pegar sol, era filmado e fotografado por terceiros, indo tais imagens parar nas redes sociais, fazendo com que Dawson tenha se transformado em motivo de chacota. Por fim, alegou que ele possui um filho autista que está sofrendo muito com a sua ausência.

Do acidente

Dawson não possuía carteira de habilitação. Ele era condutor de uma BMW que se envolveu em grave acidente de trânsito por volta das 23h42 do dia 15 de janeiro que vitimou fatalmente Mikhel da Silva Pinheiro, 42 anos, e a companheira de trabalho Rosineide Batista Aragão, 49 anos.

Vítimas estavam saindo do trabalho

O acidente ocorreu na Avenida Padre Júlio no bairro Santa Rita. Com o impacto os colegas de trabalho morreram na hora. De acordo com informações da polícia o acidente ocorreu no momento em que os dois voltavam do trabalho.

O condutor do outro veículo, uma BMW e o colega dele Artêmio dos Santos, de 26 anos, foram conduzidos ao Hospital de Emergências. Militares do Corpo de Bombeiros foram chamados pois haviam vítimas presas às ferragens.

Carros ficaram destruidos

À época, de acordo com a polícia, o veículo foi apresentado como objeto utilizado em crime. Dawson continuou sob cuidados médicos, não sendo possível ser submetido ao teste do etilômetro após o acidente. Por esse motivo, também não foi apresentado à polícia judiciária. Ele foi autuado no art. 162-I do Código de Trânsito Brasileiro.

A perícia compareceu ao local do acidente e realizou os procedimentos de praxe. Segundo a polícia dentro da BMW foram encontradas garrafas de cerveja. O motorista estava a pelo menos 184 km/h.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo