Denuncia

Pais de autistas reclamam de falta de medicação na rede municipal de saúde

Na prática, crianças que tem Transtorno do Espectro Autista (TEA) podem ter outras alterações, não apenas autismo, como deficit de atenção e hiperatividade; ansiedade entre outros. Nesse sentido o uso de medicamentos pode entrar como forma de cuidado aos sinais e minimizar outros transtornos, reduzindo alguns prejuízos da rotina.

No entanto, em Macapá, os pais de autistas têm enfrentado dificuldades para conseguir a medicação, que é preconizada pelo SUS e deve ser fornecida gratuitamente, na rede municipal de saúde.

Relatos dão conta de que o problema já se estende por pelo menos dois meses. Pais que precisam de Rispiridona, tem que desembolsar mais de R$ 300 para a compra do medicamento que provoca efeitos positivos para tratar sintomas como ansiedade, alterações mentais e estresse.

Na internet, um pai contou que depois de não conseguir a medicação na Unidade Básica de Saúde (UBS) teve que comprar a medicação para o filho. Em sua narrativa ele diz que possui condições de comprar, mas indaga a favor dos que não possuem as mesmas condições que ele.

“Meu filho mais novo é autista e ele toma um remédio controlado (Rispiridona 1mg/ml) e não há na rede de saúde pública municipal, também não há previsão para a chegada. Tive que comprar e o valor foi de R$ 362,00. Eu pude comprar, mas os pais que não podem?”, indagou João Gomes.

Pai reclamou da situação em uma rede social

Em nota a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) disse que aguarda a conclusão da licitação para a compra do medicamento, e que somente após esse processo as unidades serão reabastecidas novamente. A secretaria espera que até novembro o problema seja solucionado.

Confira nota:

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informa que está em processo de licitação para adquirir o medicamento risperidona.

A Semsa aguarda a conclusão do certame conforme exige a legislação para reabastecer as unidades para dispensação do medicamento, o que deve acontecer ainda no mês de novembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo